17 de jul de 2013

Saudade 2

O que eu sentia por você não se extinguiu. Apenas adormeceu. E vez em quando acorda e me lembra da dor que eu senti. Dá impressão de que nunca passou, nem vai passar. Eu espero que passe. Mas só de lembrar a voz embarga, o pelo eriça, o olho mareja. Eu preferia que passasse. A lembrança de um jeito de olhar, uma palavra, um sorriso. O tornozelo. Um roçar de barba mal feita.
O relógio parou e eu fiquei aqui a esperar. O mundo tem girado muito devagar e quase tudo que fazia sentindo quando eu te conheci, hoje não faz mais. As memórias que acalentam e o peso da angústia do que foi mas não é mais. E num repente nem certeza de que foi mesmo você ainda tem. E pior do que ter um passado cheio de recordações é ter um futuro sem perspectiva. Nada é eterno e tudo é possível. Resiliência ao longo da vida. O sentimento é tão palpável e por um momento eu posso quase tocá-lo. Ele está dentro de mim.

"Ainda em desamor, tempo de amor será
 Seu tempo e contratempo
 Nascendo espesso como um arvoredo
 e como tudo que nasce, morrendo
 à medida que o tempo desgasta
 Amor, o que renasce."
 Hilda Hilst

Nenhum comentário:

Postar um comentário